Canal de Notícias

Historico

2019

  • Sacyr participará na remodelaçao de um grande complexo hospitalar em Milão

    Sacyr participará na remodelaçao de um grande complexo hospitalar em Milão
    14/11/2019

    Uma UTE liderada pela SIS (com uma participação de 51% da Fininc e de 49% da Sacyr) ganhou a adjudicação da remodelação de um grande complexo hospitalar no centro de Milão (Itália): o Hospital Policlínico Mangiagalli e Regina Elena. Trata-se de um projeto orçamentado em 155,4 milhões de euros, com um prazo de execução de três anos.   
     
    A Sacyr Ingeniería e Infraestructuras, a divisão de construção da Sacyr, e os seus sócios construirão um edifício central com capacidade para 700 camas, 21 salas de cirurgia e 45 consultórios. A superfície total das novas instalações será de 65.000 m2. 
     
    A UTE construtora é participada pelas empresas SIS (60,8%), Arco (21,9%), Innova (9,4%) e Palaser (7,9%). 
     
    Novas conexões subterrâneas  
     
    O projeto prevê também a integração dos edifícios de investigação e saúde do Policlínico, mediante um novo sistema de conexões subterrâneas para facilitar a mobilidade do pessoal e a gestão de mercadorias. Também serão criadas novas rotas de superfície protegidas, e um parque de estacionamento subterrâneo.  
     
    A superfície total do projeto, incluindo o novo edifício, a superfície comercial anexa e o parque de estacionamento, é de 92.000 metros quadrados.  
     
    Este projeto vem reforçar a presença da Sacyr em Itália, onde a empresa se encontra atualmente a desenvolver o seu maior projeto de concessão, a autoestrada Pedemontana-Veneta, através do consórcio SIS.  

    PDF
  • Sacyr elevó su EBITDA hasta los 492 millones de euros (+32%) y alcanza un beneficio neto de 122 millones (+12%)

    Sacyr elevó su EBITDA hasta los 492 millones de euros (+32%) y alcanza un beneficio neto de 122 millones (+12%)
    07/11/2019

    Sacyr obtuvo un EBITDA de 492 millones de euros entre enero y septiembre de 2019, el 32% más que en el mismo periodo del ejercicio anterior. El beneficio neto se situó en 122 millones de euros, con un incremento del 12% respecto del registrado en los primeros nueve meses de 2018.

    Este fuerte crecimiento refrenda el éxito de la estrategia de Sacyr, que pone el foco en el perfil concesional, la rentabilidad, la disciplina financiera y la expansión internacional en mercados clave.

    Durante los tres primeros trimestres de 2019, Sacyr registró un sólido crecimiento en sus principales áreas de negocio. El EBITDA de Ingeniería e Infraestructuras creció a un ritmo del 76%, el de Servicios, al 24% y el de Concesiones avanzó el 20% respecto del ejercicio anterior.

    El foco de Sacyr en el negocio concesional se refleja en las cuentas de 2019: 77% del EBITDA se obtiene de activos concesionales con un bajo riesgo de demanda.

    La rentabilidad de los negocios, medida por el margen de EBITDA, crece el 17% respecto de la que se registraba en septiembre de 2018 y pasa del 13,8% al 16,2%.

    Aumento de la cifra de negocios

    La cifra de negocios de Sacyr superó los 3.000 millones de euros (3.032 millones) hasta septiembre, tras registrar un aumento del 12%. El 58% de esa cifra se obtuvo en los mercados internacionales.

    El crecimiento de doble dígito es consecuencia del éxito en la contratación registrado por todas las áreas de negocio durante los últimos ejercicios.

    Cartera de ingresos

    La cartera de ingresos futuros cerró el tercer trimestre en 42.616 millones de euros, de los que el 72% son internacionales.  

    Por actividades, en Infraestructuras los contratos internacionales representan el 86% del total; en Concesiones, el 82%; en Servicios, el 31%; y en Industrial, el 14%.

    En lo que va de 2019, Sacyr se ha adjudicado proyectos relevantes en todas sus divisiones. Entre ellos, destacan la construcción y operación de la autopista Los Vilos–La Serena, la concesión del aeropuerto de Chacalluta de Arica y la construcción de los hospitales Provincia Cordillera y Sótero del Río, en Chile, la construcción y concesión del Ferrocarril Central de Uruguay, la prolongación del tranvía de Edimburgo (Reino Unido) o la limpieza y recogida de residuos de Santa Cruz de Tenerife (España).

    Deuda financiera

    La deuda neta del grupo se situó en 4.634 millones de euros a cierre de septiembre, frente a los 4.045 millones del pasado diciembre. Este aumento se debe al incremento de las inversiones para desarrollar los nuevos proyectos concesionales. Sin embargo, la deuda corporativa con recurso disminuye en 2019 y pasa de 1.138 millones a 1.082 millones.

    La compañía continuó con su estrategia de rotación de activos y en los nueve primeros meses del año vendió su participación en Itínere por 202 millones de euros y el 49% de su participación en siete activos chilenos por 440 millones incluida deuda.

    Además, tras el cierre del tercer trimestre, se produjeron otras dos operaciones de rotación de activos: acuerdo de venta del 47,5% de Guadalcesa por 220 millones y nueve plantas energéticas (150 millones), ambos importes deuda incluida.

    La compañía ha vuelto a una política regular de retribución al accionista y en febrero y julio se han abonado sendos dividendos scrip que suman un total de 0,105 euros por título. Esta cantidad implica una rentabilidad para el accionista superior al 5%. 

    Evolución por áreas de negocio

    Concesiones.- Hasta septiembre, Sacyr Concesiones tuvo una cifra de negocios de 701 millones de euros, el 28% superior a la obtenida en 2018.

    Del total, 369 millones de euros correspondieron a ingresos concesionales, que crecieron el 16% por el crecimiento operativo de los activos. Este crecimiento se explica por el inicio de la explotación de los aeropuertos del Tepual y Chacalluta (Chile), además de la positiva evolución del tráfico de las autopistas.

    Los 332 millones restantes (+45%) son ingresos de construcción, que crecen con fuerza por la ejecución de proyectos en Colombia, México, Uruguay y Chile.

    El EBITDA alcanzó los 234 millones de euros, el 20% más.

    La cartera de ingresos futuros se situó en 27.623 millones de euros, con un peso del 82% de los proyectos internacionales.

    Durante 2019, Sacyr se ha adjudicado dos importantes proyectos en Chile: la autopista Los Vilos-La Serena, que aporta 864 millones de euros a la cartera, y el Aeropuerto de Chacalluta, con una cartera de 203 millones.

    En Uruguay, un consorcio encabezado por Sacyr se ha adjudicado el Ferrocarril Central, que aporta unos ingresos futuros aproximados de 2.200 millones.

    Ingeniería e Infraestructuras.- La cifra de negocios de esta división alcanzó los 1.464 millones de euros, con un crecimiento del 23% respecto de los nueve primeros meses de 2018.

    El EBITDA creció el 76%, hasta 167,4 millones de euros y el margen de EBITDA mejoró hasta el 11,4%, frente al 8% de enero-septiembre del año pasado.   

    La cartera de esta división alcanzó los 6.857 millones de euros, con un crecimiento del 11% respecto de diciembre; supone 42 meses de actividad. El 86% de la cartera se sitúa fuera de España.

    Cabe destacar la adjudicación durante 2019 de importantes proyectos en todo el mundo. Algunos de los más relevantes son los siguientes:

    • En Chile, la construcción de la autopista Los Vilos-La Serena (331 millones de euros), de los hospitales Sótero del Río (328 millones) y Provincia Cordillera (153 millones) y la ampliación del Aeropuerto de Chacalluta (61 millones).
    • En Uruguay, la construcción del ferrocarril Central (735 millones).
    • En Reino Unido, la prolongación del tranvía de Edimburgo (120 millones)
    • En EEUU, la rehabilitación de un tramo de autopista IH35E en Texas (102 millones).
    • En Portugal, la construcción de la línea ferroviaria Corredor Internacional Sur (130 millones de euros).
    • En España, varios proyectos de edificación por un importe de 125 millones de euros; la construcción del tramo Arejos-Níjar del AVE del corredor del Mediterráneo (98 millones); construcción del nuevo edificio de unión entre las terminales 1 y 2 del Aeropuerto de Tenerife Sur (44 millones).

    Servicios.- La cifra de negocios de esta división creció el 5,9%, hasta los 845 millones de euros. El EBITDA alcanzó los 84,3 millones de euros (+24,5%) gracias a la aportación de todas las áreas: Medioambiente (+28%), Multiservicios (+54%) y Agua (+7%). El margen EBITDA crece y pasa del 8,5% al 10%.

    La cartera de Servicios se situó a cierre de septiembre en 5.689 millones de euros, de los que el 31% ya es internacional. Hasta septiembre, la intensa actividad comercial dio como resultado la adjudicación de importantes contratos en todo el mundo. En España, la compañía consiguió el servicio de limpieza viaria, recogida y transporte del municipio de Santa Cruz de Tenerife. El importe total es de 142 millones en un plazo de ocho años prorrogables por otros dos.

    Además, destacan contratos de conservación de carreteras en Perú por 18 millones y Chile por 13 millones de euros; de limpieza de las terminales 1 y 2 del aeropuerto de El Prat (Barcelona) por 70 millones de euros, limpieza de hospitales en España por 14 millones de euros, operación y mantenimiento de depuradoras en Navarra y la gestión del agua en Biar (Alicante) por 9 millones.

    Industrial.- La cifra de negocios de la división Industrial alcanzó los 284 millones de euros (-27%) y sumó un EBITDA de 20,6 millones (-25%). Estas cifras están marcadas por la finalización de grandes proyectos en cartera, como Nuevo Mundo y La Pampilla (Perú) o la desaladora de Sohar (Omán).

    La cartera de Industrial asciende a 2.447 millones de euros, de la que el 12% es internacional.

    Entre los contratos adjudicados hasta septiembre, destaca la entrada de la compañía en el sector minero peruano, con un contrato en la mina de cobre de Quellaveco. Además, ha firmado varios contratos para la construcción de energías renovables en Chile y Bolivia.

    Un consorcio participado por Sacyr Industrial ha sido adjudicatario de la construcción instalación de dos centrales hidroeléctricas en Perú por 102 millones de euros.

    Descargar PDF
  • Rutas del litoral, liderada pela Sacyr, finaliza a construçao das estradas nacionais 21 e 24 (Uruguai)

    Rutas del litoral, liderada pela Sacyr, finaliza a construçao das estradas nacionais  21 e 24 (Uruguai)
    24/10/2019

     O ministro dos Transportes e Obras Públicas do Uruguai, Víctor Rossi, os conselheiros delegados da Sacyr Ingeniería e Infraestructuras e da Sacyr Concesiones, Pedro Sigüenza e Rafael Gómez del Río, o diretor do Grupo Saceem, Alejandro Ruibal, e as autoridades locais inauguraram ontem os trabalhos realizados na circunvalação de Nueva Palmira. Esta intervenção conclui as obras realizadas nas Estradas Nacionais 21 e 24, que foram executadas em 27 meses, nove menos do que os 36 meses previstos no contrato.  
     
    A construção das Estradas Nacionais 21 e 24 é o primeiro projeto viário de Participação Público-Privada (PPP) do Uruguai. Este contrato abrange o projeto, construção, operação e financiamento da infraestrutura viária da Estrada Nacional 21, no troço entre Nueva Palmira e a Estrada Nacional 2, e da Estrada Nacional 24, no troço entre as Estradas Nacionais 2 e 3, bem como a circunvalação de Nueva Palmira.  
     
    As estradas Nacionais 21 e 24 constituem o principal corredor de trânsito rodoviário do litoral Oeste, por onde circula 50% do trânsito de veículos pesados do país.  
     
    A concessionária Rutas del Litoral será responsável pela manutenção das duas vias e da circunvalação de Nueva Palmira durante 24 anos, prazo iniciado com a assinatura do contrato, em 2016. Este contrato tem um valor de 175 milhões de euros. 

    A Sacyr Concesiones no Uruguai 

    No Uruguai, a Sacyr Concesiones lidera, através do consórcio Grupo Vía Central (GVC), o projeto do Caminho-de-ferro Central do Uruguai, que inclui a reabilitação de 273 quilómetros de via férrea entre a cidade de Paso de los Toros e o porto de Montevideu.  
     
    O consórcio será responsável pelo financiamento, projeto e construção, com um prazo de execução previsto de 36 meses, e pela reabilitação e manutenção do projeto durante um período de 18 anos. Este contrato tem um valor de 735 milhões de euros. 


     Dados do projeto das Estradas Nacionais 21 e 24

    Dados técnicos das obras: 
     
    • Mais de 300 empregos diretos criados (950.000 HH).

    • Mais de 460.000 m3 de terraplanagens e bases granulares.

    • Três fábricas de produção de betão e mais de 100.000 m3 de cimento utilizados.

    • Duas máquinas pavimentadoras de alto rendimento.

    • 54 km de estradas com pavimento de betão.

    • Instalação de trituração. Mais de 180.000 t de agregados triturados.

    • Mais de 170.000 toneladas de mistura asfáltica elaborada.

    • 78,5 km de estradas com pavimento de asfalto.

    • Mais de 179 km de estradas em operação e manutenção.

    • Construção de uma nova ponte sobre o rio Sauce.

    • Acondicionamento de 13 pontes. 
     
    Acondicionamento da Estrada Nacional 24 
     
    O projeto da Estrada Nacional 24, no âmbito da PPP, contempla uma extensão de 45 km de via, e complementa o total da estrada (94 km) com a aplicação de um pavimento de betão em toda a sua extensão. O betão melhora a durabilidade da via, tendo em conta o elevado volume de trânsito de veículos pesados, oferecendo, além disso, excelentes prestações para os usuários.  
     
    Os trabalhos executados incluíram o alargamento da calçada existente, a adequação e construção de obras de drenagem, a melhoria do perfil da estrada antiga e a sua adaptação aos standards atuais, a pavimentação com betão da calçada, a pavimentação de bermas com mistura asfáltica, a construção de vias para trânsito lento, a instalação de postos de controlo, a construção de junções na intersecção com a Estrada Nacional 25 e na intersecção com o ramal de San Javier, e a manutenção de pontes. 
     
    Acondicionamento da Estrada Nacional 21 (Nueva Palmira – Dolores – Mercedes) 
     
    O projeto da Estrada Nacional 21 implica a execução de 76,5 km de pavimento de mistura asfáltica em toda a sua extensão. Os trabalhos executados incluíram o alargamento da calçada existente, a adequação e construção de obras de drenagem, a melhoria do perfil da estrada antiga e a sua adaptação aos standards atuais, a pavimentação com mistura asfáltica da calçada, a pavimentação das bermas com tratamento betuminoso duplo, a construção de vias para trânsito lento, a instalação de postos de controlo, a construção de junções na intersecção com a Estrada Nacional 105, e a manutenção de pontes. 
     
    Circunvalação de Nueva Palmira  

    O projeto da Circunvalação de Nueva Palmira implica a execução de 8,5 km de via, com pavimento de betão em toda a sua extensão, melhorando assim a sua durabilidade, tendo em conta o elevado volume de trânsito de veículos pesados, oferecendo, além disso, excelentes prestações para os usuários. Os trabalhos incluíram a execução de aterros e trabalhos de terraplanagem, obras de drenagem, a pavimentação com betão da calçada, a pavimentação de bermas com mistura asfáltica, a instalação de postos de controlo, a construção de junções na intersecção com a Estrada Nacional 12, e a construção de uma ponto sobre o rio Sauce.  

    Na imagem: Alejandro Ruibal, diretor do Grupo Saceem, Víctor Rossi, ministro dos Transportes e Obras Públicas, Rafael Gómez del Río, conselheiro delegado da Sacyr Concesiones, e Pedro Sigüenza, conselheiro delegado da Sacyr Ingeniería e Infraestructuras, entre outras figuras presentes no ato inaugural. 

    Descargar PDF
  • EBITDA da Sacyr sobe para 315 milhones de euros (+32%), alcançando um lucro líquido de 80 milhones (11%)

    EBITDA da Sacyr sobe para 315 milhones de euros (+32%), alcançando um lucro líquido de 80 milhones (11%)
    13/08/2019

    A Sacyr alcançou um EBITDA de 315 milhões de euros no primeiro semestre de 2019, 32% acima do alcançado no mesmo período do exercício anterior. O lucro líquido situou-se em 80 milhões de euros, o que representa um aumento de 11% em relação ao registado entre janeiro e junho de 2018.

    Este forte crescimento confirma o êxito da estratégia da Sacyr, centrada na rentabilidade, na disciplina financeira, e na consolidação nos nossos mercados estratégicos.

    O crescimento da Sacyr em 2019 teve como base a evolução positiva das áreas de negócio. O EBITDA da Ingeniería e Infraestructuras cresceu a um ritmo de 70%, o da Servicios, 26%, e o da Concesiones, 17%.

    77% do EBITDA é proveniente de ativos concessionais, que têm um baixo risco de procura.

    A rentabilidade dos negócios, medida em função da margem de EBITDA, cresceu 19% em relação ao valor registado há um ano, passando de 13,2% a 15,7%.

    De igual modo, verificou-se um aumento do fluxo de caixa operacional, atingindo 183 milhões de euros no semestre, 44% acima dos 127 milhões registados no mesmo período em 2018.

    Aumento do volume de negócios

    O volume de negócios da Sacyr superou a barreira dos 2.000 milhões de euros (2.009 milhões) durante o semestre, o que representa uma subida de 11%. 58% desse valor é proveniente de mercados internacionais.

    Este crescimento de dois dígitos é consequência do êxito na contratação registado por todas as áreas de negócio durante os últimos exercícios.

    Carteira de receitas

    A carteira de receitas futuras da empresa no final do semestre era de 42.642 milhões de euros, dos quais 73% provenientes de operações internacionais. 

    Por atividade, na Infraestructuras, os contratos internacionais representam 87% do total, na Concesiones, 82%, na Servicios, 32%, e na Industrial, 12%.

    Durante o primeiro semestre, a empresa conseguiu a adjudicação de projetos relevantes em todas as suas divisões. Entre estes, destacam-se a reabilitação de uma autoestrada no Texas (EUA), a construção e operação da autoestrada Los Vilos – La Serena, a construção dos hospitais Provincia Cordillera e Sótero del Río (Chile), a construção e concessão do Caminho-de-ferro Central (Uruguai) e o prolongamento da linha de elétrico de Edimburgo (Reino Unido).

    Dívida financeira

    Durante o primeiro semestre, a dívida corporativa com recurso diminuiu, passando de 1.138 para 1.087 milhões de euros. O conjunto da dívida líquida do grupo, no final deste período, situou-se nos 4.443 milhões de euros, dos quais mais de 75% correspondentes ao financiamento de projetos, devido principalmente ao aumento dos investimentos no desenvolvimento de projetos que fortalecem o perfil concessional da empresa.

    A empresa prosseguiu a sua estratégia de rotação de ativos, e, durante o primeiro semestre, vendeu a sua participação na Itínere por 202 milhões de euros, e 49% da sua participação em sete ativos chilenos, por 440 milhões (incluindo a dívida).

    A empresa retomou uma política regular de retribuição aos acionistas, tendo procedido ao pagamento, no mês de fevereiro, de um scrip dividend de 0,051 euros por ação. Está julho efetuou-se o pagamento do segundo dividendo do ano, no valor de 0,054 euros por ação, pela qual os acionistas receberão este ano 0,105 euros, o que representa uma rentabilidade superior a 5%. 

    Evolução por área de negócio

     Concesiones.- A Sacyr Concesiones alcançou um volume de negócios de 445 milhões de euros, mais 36% do que o obtido no primeiro semestre de 2018.

    Deste total, 238 milhões de euros corresponderam a receitas por concessões, que cresceram 19% devido ao crescimento operacional dos ativos, ao início da exploração dos aeroportos de Tepual e Challacuta (Chile), e à evolução positiva da circulação nas autoestradas concessionadas. Os restantes 206 milhões (+64%) correspondem a receitas provenientes de construção, que registam um importante crescimento devido à execução de projetos na Colômbia, no México e no Uruguai.

    O EBITDA atingiu 151 milhões de euros, o que representa um crescimento de 17%.

    A carteira de receitas futuras situou-se nos 27.849 milhões de euros (+3%), com um peso internacional de 82%.

    Durante o primeiro semestre, a Sacyr conseguiu a adjudicação de dois importantes projetos no Chile: a autoestrada Los Vilos-La Serena, que contribui com 864 milhões de euros para a carteira, e o Aeroporto de Chacalluta, no valor de 203 milhões de euros. No Uruguai, um consórcio liderado pela Sacyr conseguiu a adjudicação do Caminho-de-ferro Central, que proporcionará receitas futuras de cerca de 2.200 milhões de euros.

     Ingeniería e Infraestructuras.- O volume de negócios desta divisão atingiu 959 milhões de euros, com um crescimento de 19% em comparação com o primeiro semestre de 2019.

    O EBITDA cresceu 70%, alcançando 104 milhões de euros, e a margem de EBITDA melhorou 10,8%, em comparação com os 7,6% do período janeiro-junho de 2018.  

    A carteira de infraestruturas alcançou 6.699 milhões de euros, com um crescimento de 8%, representando 42 meses de atividade. Uma percentagem de 87% da carteira situa-se fora de Espanha.

    Cabe destacar a adjudicação de importantes projetos, como a construção da autoestrada Los Vilos-La Serena, no Chile (331 milhões de euros), o Caminho-de-ferro Central do Uruguai (735 milhões), o prolongamento do Elétrico de Edimburgo (120 milhões), a reabilitação de um troço de autoestrada no Texas (102 milhões) e a construção do Corredor do Mediterrâneo do AVE, em Almería (98 milhões).

     Servicios.- O volume de negócios desta divisão cresceu 4%, atingindo 550 milhões de euros. O EBITDA situou-se nos 55 milhões de euros, mais 26% do que em 2018, graças à contribuição de todas as áreas: Ambiente (+36%), Multiserviços (+60%) e Água (+7%). A margem de EBITDA cresceu, passando de 8,2% para 10%.

    A carteira da Servicios situou-se, no final do semestre, em 5.662 milhões de euros, dos quais 32% já provenientes de operações internacionais. Destacam-se, neste semestre, os contratos de manutenção de estradas no Peru, no valor de 18 milhões de euros, e no Chile, no valor de 13 milhões, a concessão dos serviços de limpeza dos terminais 1 e 2 do aeroporto de El Prat (Barcelona), no valor de 58 milhões de euros, o contrato para a limpeza de hospitais em Espanha, no valor de 14 milhões de euros, e os contratos de operação e manutenção de ETAR em Navarra e a gestão da água em Biar (Alicante), no valor de 14,6 milhões de euros.

    Industrial.- O volume de negócios da divisão Industrial atingiu 216 milhões de euros (-17%), representando um EBITDA de 16 milhões de euros (-11%). Estes valores devem-se ao facto de a empresa ter finalizado vários grandes projetos em carteira, como os de Nuevo Mundo e La Pampilla (Peru).

    A carteira da divisão Industrial ascende a 2.432 milhões de euros, dos quais 12% provenientes de operações internacionais. Entre os contratos adjudicados no primeiro semestre, destaca-se a entrada da empresa no setor peruano da mineração, com a adjudicação de um contrato relativo à mina de cobre de Quellaveco. Além disso, a empresa assinou vários contratos para a construção de projetos na área das energias renováveis no Chile e na Bolívia.   

     

    PDF
  • Sacyr obtém a adjudicação de novos projetos ferroviários no valor de 100 milhões de euros

    Sacyr obtém a adjudicação de novos projetos ferroviários no valor de 100 milhões de euros
    15/07/2019

    A sua filial Sacyr Neopul realizará quatro novos projetos em Espanha e na Irlanda

    A Sacyr, através da Sacyr Neopul, a sua filial especializada na eletrificação e manutenção de vias férreas, obteve a adjudicação de quatro novos projetos em Espanha e na Irlanda, num valor total de 99,8 milhões de euros.

    Um consórcio formado pela Sacyr Neopul, a Lantania e a Comsa executará para a ADIF as obras de eletrificação do Troço da linha férrea do AVE entre Plasencia e Peñas Blancas, que compreende uma extensão de 125 km de via dupla, da linha Madrid – Fronteira Portuguesa. O valor do contrato é de 25 milhões de euros, e o seu prazo de execução é de 18 meses.

    Este consórcio foi também encarregado da execução do projeto de eletrificação do troço da LAV entre Barcelona e a Fronteira Francesa.

    Quatro novas vias em Vicálvaro

    O segundo projeto, adjudicado à Sacyr Neopul e à CAF Signalling, consiste na construção de quatro novas vias no terminal ferroviário de mercadorias de Vicálvaro (Madrid), no valor de 15,5 milhões de euros e com um prazo de execução de 18 meses.

    Esta remodelação permitirá modificar a funcionalidade do terminal, atualmente em funcionamento como estação de regulação e classificação. Depois das obras, o terminal passará a ser uma instalação intermodal destinada à carga e descarga de Unidades de Transporte Intermodal (UTI), com um design de acordo com as atuais tendências na gestão de terminais de mercadorias.

    Rede Ferroviária do País Basco

    O terceiro contrato adjudicado à Sacyr está relacionado com a Rede Ferroviária do País Basco (ETS). A Sacyr Neopul e a Sacyr Infraestructuras, em conjunto com a Mariezcurrena e a Zubieder, executarão a Fase 2 do Troço Hernani – Astigarraga. O projeto consiste na construção de um troço de plataforma em viaduto para o AVE, que inclui a reformulação da linha ferroviária convencional associada. O valor do contrato é de 38,3 milhões de euros, e o seu prazo de execução é de 41 meses.

    Por último, a Irish Rail selecionou a Sacyr Neopul como “Preferred Bidder” para assegurar a manutenção da rede de eletrificação do Dublin Area Rapid Train (DART) da Irlanda, por um período de cinco anos. O contrato, no valor de 21 milhões de euros, inclui a manutenção de 120 km de via e a renovação da catenária numa extensão de 40 km.

    "A adjudicação destes novos projetos é um reconhecimento da nossa capacidade e know-how a nível nacional e internacional. Estes contratos contribuem para o crescimento da nossa filial, e são a confirmação da excelência e da qualidade dos serviços prestados pela nossa empresa", comentou Eduardo Campos, Diretor Executivo da Sacyr Somague e da Sacyr Neopul.

     

    PDF
  • Sacyr amplia o bloco de cirurgia e o instituto oncológico do hospital gregorio marañón (Madrid)

    Sacyr amplia o bloco de cirurgia e o instituto oncológico do hospital gregorio marañón (Madrid)
    11/07/2019

    A Sacyr Ingeniería e Infraestructuras construirá o novo Bloco de Cirurgia e o Instituto Oncológico do Hospital Gregorio Marañón, num valor global de 34,4 milhões de euros.

    As obras de renovação do Instituto Oncológico abrangerão mais de 15.000 metros quadrados destinados ao atendimento de pacientes oncológicos, correspondendo perto de 2.000 metros quadrados a obras de ampliação. O valor do contrato é de 18,2 milhões de euros, e o seu prazo de execução é de 18 meses.

    A Sacyr levará a cabo uma remodelação total do edifício, o que permitirá uma distribuição adequada das áreas funcionais e dos serviços. O projeto inclui a criação de núcleos de circulação para ordenar a circulação de pacientes e profissionais, a criação de mais espaços com luz natural e quartos individuais, e a correção das rampas de acessibilidade. O projeto contempla também a implantação de medidas de eficiência energética no edifício.

    No Bloco de Cirurgia, as obras incluem a ampliação da superfície do centro em 14.000 m2 e a concentração de todos os blocos operatórios do hospital, que disporá de um total de 30 blocos operatórios, o que permitirá distribuir de um modo mais eficiente os serviços do centro. Este contrato tem um valor de 16,2 milhões de euros.

    O novo bloco de cirurgia será anexo ao hospital, e permitirá unificar os espaços de recuperação pós-operatória e as atividades de apoio a estes serviços, para melhorar a qualidade assistencial e otimizar o seu funcionamento.

    Eficiência energética

    O bloco de cirurgia contará com uma instalação de produção de energia solar fotovoltaica, com uma potência de 46,8 kWp. Esta instalação, totalmente compacta, será formada por 156 painéis fotovoltaicos, concebidos para uma dissipação mais rápida do calor.

    A instalação alimentará diretamente o quadro geral de baixa tensão, com o fim de reduzir o consumo de energia da rede elétrica.

    A experiência da Sacyr na construção, gestão e manutenção de hospitais é garantia dos mais exigentes padrões de qualidade nas suas edificações sustentáveis, eficientes e acessíveis aos seus utilizadores. A nossa excelência neste campo é garantida por mais de 60 hospitais e centros de saúde construídos ou remodelados em sete países, que somam um total de 9.000 camas e representam um investimento global de 3.200 milhões de euros.

    PDF
  • A ampliação do Canal do Panamá, realizada pela Sacyr, celebra três anos de êxito, com a passagem de perto de 6.500 navios

    A ampliação do Canal do Panamá, realizada pela Sacyr, celebra três anos de êxito, com a  passagem de perto de 6.500 navios
    28/06/2019
    • O consórcio GUPC, liderado pela Sacyr, finalizou o período de três anos de manutenção do Terceiro Conjunto de Eclusas do Canal do Panamá.
    • A ampliação registou uma disponibilidade de 99,97%, o que demonstra a qualidade do projeto de engenharia que o GUPC desenvolveu entre 2009 e 2016.
    • O Terceiro Conjunto de Eclusas é a maior obra de engenharia do século XXI.

    O consórcio GUPC, liderado pela Sacyr, finalizou o período de três anos de manutenção do Terceiro Conjunto de Eclusas do Canal do Panamá.

    Durante estes 36 meses, perto de 6.500 navios transitaram pelo novo Canal, que registou uma disponibilidade de 99,97%, acima da obrigação contratual de alcançar uma disponibilidade de 99,6%. Além disso, não se verificou qualquer incidente durante este período atribuível ao consórcio GUPC.

    Os barcos que transitam pelas eclusas neo-Panamax representam 51% das receitas do Canal correspondentes a portagens, pela sua maior capacidade de carga.

    A maior dimensão dos navios representa 3,4 vezes mais toneladas de circulação de mercadorias, em comparação com as eclusas originais. O Canal oferece uma média de trânsito diário de perto de 7,5 navios nas eclusas neo-Panamax, embora tenham chegado a transitar até 12 navios num só dia.

    6% do comércio mundial

    A ampliação do Canal em 2016, pelo qual circula 6% do comércio mundial, permitiu unir mais de 140 rotas marítimas, e 1.700 portos em 160 países.

    Em 2018, 62% dos navios que transitaram pelo Canal do Panamá tiveram como origem ou destino os EUA. Este país é um dos principais utilizadores desta via interoceânica, seguido pela China, México, Chile e Japão. Perto de 14 embarcações transitam diariamente pelas eclusas de Agua Clara, no oceano Pacífico, e de Cocolí, no oceano Atlântico, em função da disponibilidade de água.

    Mais de 50% das embarcações procediam ao transporte de contentores, 26% ao transporte de gás liquefeito de petróleo, e 11% ao transporte de gás natural liquefeito (GNL). Outros navios que utilizaram as eclusas são os que se dedicam ao transporte de granéis secos e líquidos, ao transporte de veículos e de passageiros.

    Recorde de tonelagem

    Em 2018 foi estabelecido um novo recorde de tonelagem, tendo-se alcançado 38 milhões de toneladas de carga.

    No ano fiscal 2017 (de 1 de outubro de 2017 a 30 de setembro de 2018), o Terceiro Conjunto de Eclusas representou já 37% das receitas totais de portagens e 34% da tonelagem transportada através do Canal.

    Terceiro Conjunto de Eclusas: sustentável e eficiente

    A Sacyr liderou o consórcio GUPC, encarregado do design e da construção do terceiro conjunto de eclusas, entre 2009 e 2016.

    As novas câmaras das eclusas têm um comprimento de 427 metros, 55 metros de largura e 18,3 metros de profundidade, e permitem a passagem de navios do tipo post-Panamax. Esta é a maior obra de engenharia do mundo, pela sua complexidade técnica e tecnológica. http://historiasdelcanal.sacyr.com/es/

    O Canal do Panamá conta com tinas de água para cada câmara nas eclusas de Cocolí e Agua Clara, o que permite a reutilização de até 60% deste recurso em cada ciclo de utilização das eclusas, reduzindo em 7% a quantidade de água consumida em cada passagem. Esta poupança de recursos possibilita a passagem de mais dois barcos por dia.

    No que se refere ao tempo de enchimento das eclusas, os valores também são melhores do que os inicialmente contratualizados. O tempo médio de enchimento das eclusas requerido pelo cliente situava-se entre 46,1 e 50,5 minutos, com o uso das tinas, e o tempo real situa-se agora entre 42,5 e 43,7 minutos.

    Sem a utilização das tinas, o tempo médio de enchimento das eclusas requerido pelo cliente era de 26,5 a 28 minutos, e o tempo real é atualmente de 24,8 a 26 minutos.

    O betão utilizado na sua construção é de uma qualidade excelente, superando amplamente as margens do projeto, com uma durabilidade superior a 100 anos. Nas novas eclusas utilizaram-se cinco milhões de m3 de betão, o equivalente a 50 torres de 236 metros ou a 450 edifícios de 20 pisos.

    Durante a execução da obra foi alcançado o recorde mundial de injeção de betão: 170.000 m3 de betão por mês, o equivalente ao que se utilizaria para edificar duas torres de 236 metros. Foram ainda utilizadas 300.000 toneladas de aço.

    O terceiro conjunto de eclusas permite a passagem de navios com o triplo da capacidade até aqui permitida, o que se traduz num impacto positivo na indústria logística mundial, e que levou a que portos de todo o mundo modificassem as suas plataformas logísticas para poderem receber os barcos post-Panamax.

    O aumento da carga também significa uma redução das emissões de CO2, uma vez que a mesma carga pode ser agora transportada por menos navios.

    PDF
  • Relatório integrado Sacyr 2018

    Relatório integrado Sacyr 2018
    13/06/2019

    Na Sacyr criamos valor partilhado. O Relatório Integrado de 2018 informa sobre o modelo de negócio sustentável da empresa e sobre como, através da nossa atividade, proporcionamos valor para os nossos empregados, clientes e acionistas, e para o conjunto das sociedades nas quais desenvolvemos os nossos projetos.

    Ao longo das 244 páginas do nosso Relatório, detalhamos todas as magnitudes básicas da nossa atividade, o modelo de negócio, o ambiente operacional em que nos desenvolvemos, o nosso valor social e ambiental, e a governança da empresa.

    Todo o trabalho desenvolvido pela Sacyr obedece ao conceito de sustentabilidade, que procuramos permanentemente aplicar através da melhoria dos nossos resultados, de uma estrutura financeira equilibrada, do compromisso para com os nossos clientes e os nossos empregados, e dos novos processos de inovação, utilizando materiais, energias e tecnologias que respeitam o meio ambiente.

     

    PDF
  • Sacyr cresce nos eua, conseguindo o seu primeiro contrato de construção no Texas

    Sacyr cresce nos eua, conseguindo o seu primeiro  contrato de construção no Texas
    10/06/2019

    A Sacyr Ingeniería e Infraestructuras conseguiu a adjudicação do contrato de reconstrução e ampliação da autoestrada interestatal IH35E, no Texas (EUA), no valor de 117 milhões de dólares (102 milhões de euros).

    Este é o primeiro contrato da filial construtora da Sacyr no estado do Texas. A empresa iniciou a sua atividade nos EUA em 2018, com a adjudicação de quatro contratos no estado da Flórida, num valor global de 320 milhões de euros.

    O contrato agora adjudicado à Sacyr no Texas vem contribuir para a expansão da empresa nos EUA, um dos eixos do Plano Estratégico 2015-2020.

    Uma obra com uma extensão de 11,5 quilómetros

    O contrato da IH35E foi adjudicado pelo Texas Department of Transportation (TxDOT), e tem um prazo de execução de 40 meses.

    A Sacyr reconstruirá e ampliará um troço de 11,5 quilómetros da IH35E, que passará a ter seis faixas de rodagem, em lugar das quatro atuais, entre a interseção com a IH35W e o limite do condado de Ellis. O contrato inclui também a intervenção necessária nas rampas de entrada e saída existentes nas interseções com a FM2959 e a FM934.

    Os trabalhos incluem a movimentação de terras, drenagem, muros de terra, pavimento, sinalização, balizamento, proteções, iluminação e revegetação. 

    PDF
  • A ETAR do Nordeste de Tenerife (Valle de Guerra), Prêmio Agustín de Betancourt pelomelhor Obra de Engenharia Civil das Ilhas Canárias

    A ETAR do Nordeste de Tenerife (Valle de Guerra), Prêmio Agustín de Betancourt pelomelhor Obra de Engenharia Civil das Ilhas Canárias
    07/06/2019

    O projeto da Estação de Tratamento de Águas Residuais Urbanas (ETAR) de Valle de Guerra, em Tenerife, realizado pela Sacyr Sadyt e pela Sacyr Ingeniería e Infraestructuras, recebeu o Prémio Agustín de Betancourt para a melhor Obra de Engenharia Civil (período 2014-2018) das Ilhas Canárias. Este galardão é concedido pela Delegação de Tenerife do Colegio de Ingenieros de Caminos, Canales y Puertos.

    O projeto cumpre amplamente os critérios de valoração do prémio, ao ser um modelo de inovação tecnológica, de eficiência e de inovação na gestão do tratamento de águas residuais. A ETAR proporciona água depurada de qualidade adaptada aos diferentes cultivos, encontrando-se integrada no meio envolvente e respeitando o mesmo, ao não gerar ruído nem odores. Além disso, esta infraestrutura converteu-se numa aula viva para a sociedade da ilha, onde se educa sobre o futuro da reutilização da água. A ETAR é uma referência na transformação do modelo do ciclo integral da água na produção industrial de água depurada.

    Este prémio reconhece o promotor e o diretor da Obra (Governo das Ilhas Canárias) e o projetista e empreiteiro (Sacyr Ingeniería Infraestructuras-Sacyr Sadyt).

    A Sacyr Agua obteve também a adjudicação da exploração da estação por um período de quatro anos.

    A depuração é realizada mediante um processo de lodos ativados em oxidação prolongada com membranas de ultrafiltração (MBR), precedido por um pré-tratamento compacto. Adicionalmente, como tratamento terciário, parte da água depurada passa por uma instalação de eletrodiálise reversível (EDR), para reduzir a sua salinidade. O projeto inclui dois depósitos de água tratada, cada um deles com capacidade para 2.000 m³, destinando-se o primeiro à água depurada à saída do MBR, e o segundo ao armazenamento de água depurada-dessalinizada proveniente da EDR.

    Água de uso agrícola

    A ETAR, que trata atualmente quase 5.000 m3/dia, foi concebida para um caudal máximo de 7.000 m3/dia, e, em obra civil, para uma capacidade de 9.500 m3/dia. Esta estação trata atualmente 100% da água que a ela chega, e tem uma capacidade de produção de 4.000 m3/dia de água depurada para uso agrícola.

    A água obtida nestas instalações, cuja qualidade supera amplamente os limites exigidos por lei para uso agrícola, é enviada diretamente para a rede e disponibilizada aos agricultores da Comarca Nordeste, possibilitando assim a criação de um serviço de abastecimento de água "a la carte" para os diferentes tipos de cultivos da zona.

    PDF
  • Sacyr obtém a adjudicação da construção de uma linha ferroviária em Portugal no valor de 130 milhões de euros

    Sacyr obtém a adjudicação da construção de uma linha ferroviária em Portugal no valor de 130 milhões de euros
    30/05/2019

    A Infraestruturas de Portugal adjudicou a Sacyr Somague a construção de uma linha ferroviária com uma extensão de 40 quilómetros. Esta infraestrutura fará parte do estratégico Corredor Internacional do Sul, que conectará os portos do sul do país (Lisboa, Sines e Setúbal) com a rede ferroviária de ligação a Espanha, através de Badajoz.

    O projeto representa um investimento de 130 milhões de euros, e o seu prazo de execução é de 28 meses.

    As obras consistem na construção de uma nova linha férrea, que atravessará principalmente zonas rurais, e que conectará a Linha de Évora, o ramal de Alandroal e a Linha do Este. Os trabalhos incluem a construção da plataforma ferroviária, obras de drenagem e a construção de outras infraestruturas, como viadutos, passagens, estações e edifícios técnicos, e obras relacionadas com sinalização e telecomunicações.

    No total, está prevista a construção de 13 pontes, com uma extensão total de 6,3 quilómetros. A ponte de maior altura incluirá um pilar de 38 metros. Também se construirão 26 passagens superiores e inferiores, e proceder-se-á à remodelação de 30 vias de circulação rodoviária.

    Mais carteira em Portugal

    Este contrato ferroviário vem ampliar a carteira da Sacyr Somague em Portugal. Entre outros contratos, a empresa está a construir atualmente em Lisboa dois novos hotéis, no valor de 12,5 milhões de euros. A empresa está também a levar a cabo a reabilitação da emblemática Ponte 25 de Abril, na capital portuguesa.

    "A adjudicação destes novos projetos é um reconhecimento da nossa capacidade e know-how a nível nacional e internacional. Estes contratos contribuem para o crescimento da Sacyr Somague, e são a confirmação da excelência e da qualidade dos serviços prestados pela nossa empresa", comentou Eduardo Campos, Diretor Executivo da Sacyr Somague.

    PDF
  • A Sacyr tem adjudicadas obras de urbanização em South Al Meshaf (Qatar) no valor de 114 milhões de euros

    A Sacyr tem adjudicadas obras de urbanização em South Al Meshaf (Qatar) no valor de 114 milhões de euros
    17/05/2019

    A autoridade estatal do Catar, Ashgal, adjudicou obras de urbanização em South Al Meshaf, no sul de Doha, ao consórcio formado pela Sacyr Ingeniería e Infraestructuras e Medgulf, no valor de 114 milhões de euros.

    O projeto consiste na urbanização da área adjacente de 117 hectares no sul de Doha, cinco quilómetros a oeste de Al Wakrah.  Serão construídos 9,5 quilómetros de vias e um coletor de saneamento através da criação de um microtúnel de 6,5 quilómetros de comprimento e um diâmetro de 2 a 2,4 metros, a uma profundidade de 25 a 38 metros.

    As obras começam no mês de junho e  irão prolongar-se durante 42 meses.

    A Sacyr já está a realizar outros projetos no país, por exemplo, o design e construção das obras de urbanização do QEZ-1, o projeto de coletores subterrâneos de Ras Bufontas, a construção de redes rodoviárias e infraestruturas de Alkeesa e o projeto de urbanização de BeniHajer. 

    As obras de urbanização em South Al Meshaf reforçam a posição da empresa num mercado considerado estratégico para o seu futuro crescimento.

    PDF
  • Resultados de Sacyr del primer trimestre de 2019

    Resultados de Sacyr del primer trimestre de 2019
    10/05/2019
    • Los resultados del primer trimestre del año reflejan el foco de la compañía en la rentabilidad y la generación de caja. 
    • La multinacional profundiza en su perfil concesional: el 77% del EBITDA procede ya de activos con bajo riesgo de demanda. 
    • La cartera de ingresos futuros de la compañía alcanza los 42.912 millones de euros (+3%). El 72% es internacional. 
    • La solidez de los resultados y del negocio han permitido a la compañía recuperar el reparto regular de dividendos. En febrero se abonó el primer dividendo con cargo a los resultados de 2018, bajo modalidad de scrip dividend. 

    Sacyr alcanzó un EBITDA de 143 millones de euros en el primer trimestre de 2019, el 28% más que ha cosechado en el mismo periodo del año anterior. El beneficio neto se situó entre enero y marzo en 38 millones de euros, con un incremento del 10%.
    El fuerte crecimiento registrado en el primer trimestre del año refrenda el éxito de la estrategia de Sacyr. Esta estrategia pone el foco en la rentabilidad, la disciplina financiera, la consolidación en mercados estratégicos y en los negocios con un marcado perfil concesional. De hecho, el 77% del EBITDA procede ya de activos concesionales con bajo riesgo de demanda. 
    Durante el primer trimestre, Sacyr registró un importante aumento del EBITDA en sus divisiones de negocio: Concesiones (+27%), Ingeniería e Infraestructuras (+40%), Servicios (+24%). 
    Además, la rentabilidad del grupo, medida por el margen de EBITDA, pasó del 12,6% del primer trimestre de 2018 al 14,7%.

    Crecimiento de la cifra de negocios

    La cifra de negocios de Sacyr se situó en 972 millones de euros (+10%). Este crecimiento es consecuencia del éxito en la contratación registrado por todas las áreas de negocio durante los últimos ejercicios. 
    Por su parte, la cartera de ingresos futuros cerró el trimestre en 42.912 millones de euros (+3%). La cartera refleja la fuerte internacionalización de la compañía: el 72% está situada ya fuera de España. Esta cifra llega hasta el 88% en el caso de Ingeniería e Infraestructuras y al 82%, en el de Concesiones.
    Durante 2019, Sacyr se está adjudicando importantes contratos en sus mercados estratégicos. Es el caso, por ejemplo, de la autopista Los Vilos – La Serena (Chile), la ampliación del tranvía de Edimburgo (Reino Unido), sendos tramos de vías férreas de alta velocidad en España y Portugal o la nueva terminal del Aeropuerto de Tenerife.

    Deuda financiera 

    La deuda neta del grupo se situó a cierre del primer trimestre en 4.177 millones de euros, con un ligero incremento respecto del cierre de 2018 (4.045 M €). La deuda neta con recurso, 1.124 millones de euros, se reduce respecto de los 1.138 millones de finales del pasado ejercicio. 
    Sacyr desinvirtió en el primer trimestre su participación en Itínere Infraestructuras, por la que obtuvo un total de 202 millones de euros. Además, con posterioridad a marzo, acordó la venta del 49% de siete activos chilenos por un importe total de 440 millones de euros.
    Durante el primer trimestre la compañía terminó la devolución de los anticipos a la Autoridad del Canal de Panamá. 
    La compañía mantiene una política regular de retribución al accionista. El pasado mes de febrero abonó el dividendo a cuenta de los resultados de 2018 mediante scrip dividend: una acción por cada 35 ó 0,051€ por derecho. El 95% del capital eligió recibir acciones, lo que demuestra la confianza de los inversores en el valor. 

    Evolución por áreas de negocio
    Concesiones.-

    Sacyr Concesiones tuvo una cifra de negocios de 218 millones de euros, el 51% superior a la obtenida en el primer trimestre de 2018. 
    Del total, 117 millones de euros correspondieron a ingresos concesionales, que crecieron el 22% por el crecimiento operativo de los activos, el inicio de la explotación del Aeropuerto del Tepual (Chile) y la positiva evolución del tráfico de las autopistas. Los 101 millones restantes (+108%) son ingresos de construcción, que crecen con fuerza por la ejecución de proyectos en Colombia, Chile y México. 
    El EBITDA alcanzó los 75 millones de euros, el 27% más. 
    La cartera de ingresos futuros se situó en 28.064 millones de euros (+4%), con un peso internacional del 82%. 
    Durante el primer trimestre, Sacyr se ha adjudicado dos importantes proyectos en Chile, la autopista Los Vilos-La Serena (864 M €) y el Aeropuerto de Chacalluta (203 M €).

    Ingeniería e Infraestructuras.-

    La cifra de negocios de esta división alcanzó los 456 millones de euros, con un crecimiento del 14% respecto del mismo trimestre de 2018. 
    El EBITDA creció el 40%, hasta 41 millones de euros, y el margen de EBITDA mejoró hasta el 9%, frente al 7,3% de enero-marzo de 2018.   
    La cartera de infraestructuras alcanzó los 6.554 millones de euros, con un crecimiento del 6%, y supone 43 meses de actividad. El 88% de la cartera se sitúa fuera de España. 
    Cabe destacar la adjudicación de relevantes proyectos en Chile, como la construcción de los hospitales Sótero del Rio (328 M €) y Provincia Cordillera (153 M €). Además,  Sacyr se adjudicó la construcción de la línea Évora de alta velocidad en Portugal (130 M €) y el tramo de AVE Arejos-Níjar en Almería (98 M €). En Reino Unido, realizará la prolongación del tranvía de Edimburgo (120 M €) y en Tenerife (España) construirá el edificio que unirá las terminales 1 y 2 del Aeropuerto de Tenerife Sur (44 M €).

    Servicios.-

    La cifra de negocios de esta división creció el 5%, hasta los 266 millones de euros. El EBITDA alcanzó los 24 millones de euros, el 24% más que en 2018, gracias a la aportación de todas las áreas: Medioambiente (+15%), Multiservicios (+98%) y Agua (+20%). El margen EBITDA crece y pasa del 7,7% al 9%. 
    La cartera de Servicios ascendió a 5.836 millones de euros, cifra similar a la registrada en marzo de 2018 (5.899 M €). 
    El 29% de la cartera ya es internacional. En este sentido, en el primer trimestre destacan los contratos conseguidos en Perú para la conservación de carreteras, con un volumen de 19 millones de euros, en Chile (13 M €) y Portugal (7 M €). 

    Industrial.-

    La cifra de negocios de la división Industrial alcanzó los 110 millones de euros (-17%) y sumó un EBITDA de 7 millones (-25%). La compañía ha finalizado grandes proyectos en cartera, como Nuevo Mundo y La Pampilla (Perú).
    La cartera de Industrial asciende a 2.458 millones de euros, con un crecimiento del 9% respecto del primer trimestre de 2018. El 11% es internacional. Sacyr Industrial ha firmado dos contratos BOP para la construcción de dos parques eólicos de 84 MW en Bio Bio y 155 MW en Antofagasta. El montante conjunto es de 61 millones de euros. 
    Además, se ha adjudicado la construcción de una planta geotérmica piloto de 5 MW en Laguna Colorada (Bolivia) por un importe de 15 millones de euros. 

    Descargar PDF
  • A Sacyr ganha novos projetos de construção no valor de 60 milhões de euros

    A Sacyr ganha novos projetos de construção no valor de 60 milhões de euros
    30/04/2019

    A Sacyr Ingeniería e Infraestructuras ganhou vários projetos de edificação residencial em Estepona, Málaga, Huelva y Mataró por um total de 60,5 milhões de euros.

    Para Kronos Home, iremos construir o complexo "Oasis 325" em Estepona (Málaga) que, numa primeira fase, contará com 127 habitações de design específico com anexos, garagens, piscina climatizada e piscina comum.

    O projeto inclui seis blocos com quatro pisos escalonados cada um, divididos em dois pisos tipo cave, rés-do-chão, dois pisos superiores e sótão.

    Para Metrovacesa, a Sacyr Infraestructuras construirá o "Edificio Halia", na zona de Torre del Río junto à praia em Málaga.  O edifício constará de 99 habitações, estacionamento, anexos e piscinas; incluirá três pisos abaixo do nível da rua, rés-do-chão, seis pisos superiores e sótão.

    O projeto foi concebido por Mario Romero González e Javier Higuera Mata da firma de arquitetos HCP Arquitectos Urbanistas.

    Para SDIN Residencial, iremos construir a segunda fase do projeto que já estamos a executar, "La Joya" em Huelva. Compõe-se de dois blocos com rés-do-chão e sete pisos superiores.

    Os pisos tipo cave já estão finalizados pois pertencem à primeira fase. O projeto foi concebido por Teresa Escribano e Gustavo Águila do estúdio de arquitetos Arquitectura Valparaiso. A superfície a construir será de 9190 m2. 

    Em Mataró (Barcelona), iremos construir para Port Mataró, "Mirador del Maresme": um conjunto de residências com 97 habitações com 15 espaços comerciais e estacionamento distribuídos por três blocos de 10 pisos.

    PDF
  • A Sacyr e a Farrans têm adjudicada a extensão da ferrovia elétrica de Edimburgo

    A Sacyr e a Farrans têm adjudicada a extensão da ferrovia elétrica de Edimburgo
    23/04/2019

    Um consórcio formado pela Sacyr e pela Farrans tem adjudicado o contrato de infraestrutura e sistemas, o qual inclui o desenho, construção e colocação em funcionamento do novo troço da ferrovia elétrica de Edimburgo (Escócia) entre York Place e Newhaven.

    Com 4,7 quilómetros, este novo troço terá oito paragens e prolongará em direção norte a linha que atualmente liga o aeroporto à estação de Haymarket e Princess Street, no centro da cidade. O orçamento para o projeto é de 207 milhões de libras (241,5 milhões de euros).

    O projeto começará a ser executado a meados de maio: o consórcio SFN JV trabalhará com o outro empreiteiro, Morrison Utility Services, a câmara de Edimburgo e outras partes interessadas no desenvolvimento do desenho e do calendário de construção.

    A Sacyr lidera o consórcio com 60% da participação no projeto, sendo os restantes 40% detidos pela Farrans.

    18 milhões de utentes

    A construção da infraestrutura começará em setembro deste ano e irá prolongar-se por 40 meses. Os primeiros passageiros deverão começar a utilizar a nova linha no início de 2023. Quando estiver em funcionamento, cerca de 16 milhões de pessoas por ano irão utilizar o serviço entre o aeroporto e o bairro de Newhaven.

    Crescimento no Reino Unido

    O Reino Unido é um dos mercados em que a Sacyr prevê crescer nos próximos anos. A multinacional espanhola conseguiu o ano passado o contrato para a construção da autoestrada A6 entre Dungiven e Drumahoe, na Irlanda do Norte, por 143 milhões de libras (161 milhões de euros).

    O projeto inclui o desenho e a construção de 26 quilómetros de estrada. Iniciadas no passado mês de outubro, as obras irão prolongar-se durante quatro anos.

    A Sacyr também participa na construção da universidade de Ulster, em Belfast.

    PDF
  • A Sacyr adota práticas de gestão responsável da biodiversidade no Peru

    A Sacyr adota práticas de gestão responsável da biodiversidade no Peru
    17/04/2019

    A Sacyr adota práticas de gestão responsável da biodiversidade no Peru. A Sacyr adota práticas de gestão responsável da biodiversidade no Peru.

    A Sacyr Ingeniería e Infraestructuras efetuou um projeto de conservação da flora no local do projeto do complexo desportivo Andrés Avelino Cáceres de Villa María del Triunfo em Lima para os Jogos Panamericanos e Parapanamericanos em 2019.

    O objetivo é garantir a sobrevivência de todos os exemplares na zona de execução da obra e aumentar a zona de cobertura vegetal com plantas prostradas.

    Assim, foram transportados para um viveiro mais de 800 exemplares pertencentes às mais de 20 espécies diferentes da zona. Ali foram cuidados e conservados para, meses depois, duplicar o número de exemplares e dispor de mais de 1600, que foram integrados na solução paisagística para o complexo desportivo.

    Em simultâneo, trabalhou-se na propagação de plantas prostradas nas zonas arenosas do projeto onde não existia cobertura vegetal. Estas plantas criam uma cobertura completa e frondosa para o solo, através de estacas das plantas mãe.

    Os esforços têm sido bem-sucedidos com 1322 m² de cobertura vegetal até à data, sendo que se prevê alcançar os 2800 m². As plantas prostradas caracterizam-se pela necessidade de pouca manutenção e de uma quantidade mínima de água para sobreviver; por isso, são utilizadas como alternativa ao relvado tradicional.

    Com esta iniciativa ambiental de proteção das espécies, a Sacyr contribui para o cumprimento do objetivo 15 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, adotando medidas significativas para a redução do impacto nos habitats naturais, prevenção da perda da diversidade biológica e proteção das espécies ameaçadas.

    Ajuda também ao cumprimento do objetivo 12 ao adotar medidas de produção e consumo responsáveis com a promoção da utilização eficiente da água.

    PDF
  • A Sacyr irá construir o troço de infraestrutura ferroviária de alta velocidade de Los Arejos-Níjar (Almería) por 118 milhões de euros

    A Sacyr irá construir o troço de infraestrutura ferroviária de alta velocidade de Los Arejos-Níjar (Almería) por 118 milhões de euros
    01/04/2019

    A Adif Alta Velocidad adjudicou a construção do troço Los Arejos – Níjar (Almería),dentro do corredor mediterrânico de alta velocidade entre Murcia e Almería, Espanha, à Sacyr Ingeniería e Infraestructuras. O contrato tem um valor de 118,5 milhões de euros e um prazo de execução de 32 meses.

    De 17,7 quilómetros, o traçado inclui 9,2 km de via dupla (plataforma de 14 m) e 8,5 km de via simples (plataforma de 8,5 m).

    As principais intervenções no troço são:

    • 10 viadutos, três dos quais são de grande envergadura (más de 900 m de comprimento)
    • 5  passagens superiores sobre estradas ou caminhos
    • 11 passagens inferiores
    • Um muro de proteção.

    O projeto inclui ainda movimentação de terra (demolições, escavações, terraplanagens, camada de forma e sub-balastro), a drenagem longitudinal e transversal da plataforma e a reposição dos serviços elétricos, telefónicos e corredores de linha de transporte de eletricidade. Participou em 42 projetos com a colocação em funcionamento de 739 km.

    Na linha Madrid-Barcelona-fronteira francesa (troços Sants - La Sagrera, Torrassa - Sants, Sant Joan Despí - Sants, nó de Castellbisbal, Massanes-Maçanet, Hospitalet - La Torrassa em Barcelona; troços Cornellá del Terri-Vilademuls y Borrassà - Figueres (Girona). Na ligação LAV Madrid-Castilla La Mancha - Comunidad Valenciana-Región de Murcia, os troços: Alzira-Algemesí e Orihuela- Colada de la Buena Vida.

    Também realizou a entrada em Málaga da linha ferroviária de alta velocidade e participou nas obras dos túneis de Guadarrama e do vale de Abdalajís.

    PDF
  • A Sacyr tem adjudicada a construção de uma estrada de 205 km no Peru, no valor de 34 milhões de euros.

    A Sacyr tem adjudicada a construção de uma estrada de 205 km no Peru, no valor de 34 milhões de euros.
    19/03/2019

    A Sacyr, através da Sacyr Ingeniería e Infraestructuras, irá preparar o dossier técnico e efetuar a construção 205 quilómetros de estrada em Áncash. 

    A empresa ganhou o concurso, lançado pelo ministério peruano do transporte e comunicações, integrado no quinto conjunto de estradas para a iniciativa "reconstrução com alterações".

    O orçamento do contrato é de mais de 126 milhões de soles peruanos (cerca de 34 milhões de euros).  A data prevista de início do projeto é março de 2019, com um prazo de execução de 16 meses.  Este é o maior projeto dentre os seis conjuntos de reconstrução rodoviária para a restauração da acessibilidade à zona e ao país depois da passagem do "El Niño Costero" em 2017.

    Infraestrutura mais segura

    Os trabalhos de construção para a melhoria das ligações rodoviárias incluirão: rabalho preliminar, movimentação de terra, pavimentação, obras de arte e drenagem, obras complementares, transporte de materiais e desperdícios, sinalização e segurança rodoviária e proteção ambiental.

    "Neste projeto em Áncash, assumimos o compromisso de oferecer uma infraestrutura de qualidade para todos os utentes, unindo cidades mais seguras e, assim, melhorando o tempo de viagem e as ligações.

    O projeto irá, sem dúvida, ter um impacto positivo na reconstrução rodoviária do país após a passagem do El Niño Costero", afirmou Carlos Martínez-Almeida, gerente-geral da Sacyr Ingeniería e Infraestructuras no Peru.

    PDF
  • A Sacyr irá construir o edifício de ligação entre os terminais 1 e 2 do aeroporto de Tenerife Sur, por um valor de 44 milhões de euros

    A Sacyr irá construir o edifício de ligação entre os terminais 1 e 2 do aeroporto de Tenerife Sur, por um valor de 44 milhões de euros
    15/03/2019

    A Sacyr Ingeniería e Infraestructuras irá construir o edifício de ligação entre os terminais 1 e 2 do aeroporto de Tenerife Sur, por 44,16 milhões de euros.

    O projeto, adjudicado pela Aena, irá aumentar a superfície útil do aeroporto em 14 000 m2 e transformará a instalação aeroportuária por completo ao integrar os dois edifícios num só terminal.

    Além da distribuição da urbanização exterior do terminal adaptando-a à nova configuração, as obras incluem ainda a construção de um moderno posto controlo de segurança, centralizado e num só nível, com duas grandes áreas de check-in laterais nos terminais 1 e 2. Por conseguinte, o atual terminal 1 irá readaptar o fluxo de saída de viajantes e ampliará a zona comercial.

    O edifício contará ainda com duas novas pontes telescópicas para adicionar quatro novas portas de embarque. Com início em abril, as obras demorarão 23 meses e serão executadas por fases para reduzir o impacto nas operações do aeroporto.

    Ampla experiência.

    A Sacyr conta com ampla experiência na execução de projetos aeroportuários em Espanha, Portugal e Angola com mais de 1600 milhões de euros em obras executadas, com destaque para o terminal T4 no aeroporto Adolfo Suárez Madrid Barajas, Murcia e Ciudad Real. Atualmente, está a realizar obras de melhoria dos aeroportos de El Tepual (Puerto Montt, Chile) e Chiclayo (Peru).

    PDF
  • A Sacyr Ingeniería e Infraestructuras ganhou vários projetos de edificação em Madrid por um total de 65 milhões de euros.

    A Sacyr Ingeniería e Infraestructuras ganhou vários projetos de edificação em Madrid por um total de 65 milhões de euros.
    16/01/2019

    A Sacyr Ingeniería e Infraestructuras ganhou vários projetos de edificação em Madrid por um total de 65 milhões de euros, com destaque para a construção de três complexos residuais com 380 habitações e a remodelação completa do edifício em Manoteras 12, Madrid. 

    Para Onix Capital Partners, efetuaremos a reabilitação completa e ampliação para sete pisos do edifício na avenida de Manoteras 12, com vista a transformá-lo num edifício de escritórios sustentável e eficiente que venha a obter os certificados Leed e Well Gold. Neste sentido, realizaremos a remodelação dos 5310 m2 atuais e ampliaremos a superfície para 21 200 m2 construídos, recorrendo às mais vanguardistas técnicas de construção.

    Para Inmoglaciar, construiremos o complexo residencial Ciudad Futura em Arganda del Rey (Madrid) que contará com 103 habitações, espaços comerciais, garagens, anexos e piscina comum. O projeto consta de dois blocos, um a norte em forma de U invertido com rés-do-chão, quatro pisos e sótão, e outro a sul com traçado linear e dividido em rés-do-chão, sete pisos e sótão. 

    E para a empresa de promoção imobiliária AEDAS Homes, a Sacyr Infraestructuras efetuará os projetos Orellana I e Orellana II em Alcalá de Henares (Madrid). Cada um destes projetos residenciais consistirá de um edifício em forma de U de cinco pisos e 75 vivendas (148 unidades no total), incluindo áreas comuns e piscina.

    Para Promyva Inmuebles IV, construiremos Residencial Cubic II em Rivas Vaciamadrid: 129 habitações com anexos, garagem e áreas comuns. Este edifício residencial de traçado aberto constará de habitações com garagem, anexos e áreas comuns, distribuídas por seis pisos à superfície e dois pisos abaixo do nível da rua.

    PDF