Canal de Notícias

Historico

2019

angle-left EBITDA da Sacyr sobe para 315 milhones de euros (+32%), alcançando um lucro líquido de 80 milhones (11%)
  • EBITDA da Sacyr sobe para 315 milhones de euros (+32%), alcançando um lucro líquido de 80 milhones (11%)

    13/08/2019

    A Sacyr alcançou um EBITDA de 315 milhões de euros no primeiro semestre de 2019, 32% acima do alcançado no mesmo período do exercício anterior. O lucro líquido situou-se em 80 milhões de euros, o que representa um aumento de 11% em relação ao registado entre janeiro e junho de 2018.

    Este forte crescimento confirma o êxito da estratégia da Sacyr, centrada na rentabilidade, na disciplina financeira, e na consolidação nos nossos mercados estratégicos.

    O crescimento da Sacyr em 2019 teve como base a evolução positiva das áreas de negócio. O EBITDA da Ingeniería e Infraestructuras cresceu a um ritmo de 70%, o da Servicios, 26%, e o da Concesiones, 17%.

    77% do EBITDA é proveniente de ativos concessionais, que têm um baixo risco de procura.

    A rentabilidade dos negócios, medida em função da margem de EBITDA, cresceu 19% em relação ao valor registado há um ano, passando de 13,2% a 15,7%.

    De igual modo, verificou-se um aumento do fluxo de caixa operacional, atingindo 183 milhões de euros no semestre, 44% acima dos 127 milhões registados no mesmo período em 2018.

    Aumento do volume de negócios

    O volume de negócios da Sacyr superou a barreira dos 2.000 milhões de euros (2.009 milhões) durante o semestre, o que representa uma subida de 11%. 58% desse valor é proveniente de mercados internacionais.

    Este crescimento de dois dígitos é consequência do êxito na contratação registado por todas as áreas de negócio durante os últimos exercícios.

    Carteira de receitas

    A carteira de receitas futuras da empresa no final do semestre era de 42.642 milhões de euros, dos quais 73% provenientes de operações internacionais. 

    Por atividade, na Infraestructuras, os contratos internacionais representam 87% do total, na Concesiones, 82%, na Servicios, 32%, e na Industrial, 12%.

    Durante o primeiro semestre, a empresa conseguiu a adjudicação de projetos relevantes em todas as suas divisões. Entre estes, destacam-se a reabilitação de uma autoestrada no Texas (EUA), a construção e operação da autoestrada Los Vilos – La Serena, a construção dos hospitais Provincia Cordillera e Sótero del Río (Chile), a construção e concessão do Caminho-de-ferro Central (Uruguai) e o prolongamento da linha de elétrico de Edimburgo (Reino Unido).

    Dívida financeira

    Durante o primeiro semestre, a dívida corporativa com recurso diminuiu, passando de 1.138 para 1.087 milhões de euros. O conjunto da dívida líquida do grupo, no final deste período, situou-se nos 4.443 milhões de euros, dos quais mais de 75% correspondentes ao financiamento de projetos, devido principalmente ao aumento dos investimentos no desenvolvimento de projetos que fortalecem o perfil concessional da empresa.

    A empresa prosseguiu a sua estratégia de rotação de ativos, e, durante o primeiro semestre, vendeu a sua participação na Itínere por 202 milhões de euros, e 49% da sua participação em sete ativos chilenos, por 440 milhões (incluindo a dívida).

    A empresa retomou uma política regular de retribuição aos acionistas, tendo procedido ao pagamento, no mês de fevereiro, de um scrip dividend de 0,051 euros por ação. Está julho efetuou-se o pagamento do segundo dividendo do ano, no valor de 0,054 euros por ação, pela qual os acionistas receberão este ano 0,105 euros, o que representa uma rentabilidade superior a 5%. 

    Evolução por área de negócio

     Concesiones.- A Sacyr Concesiones alcançou um volume de negócios de 445 milhões de euros, mais 36% do que o obtido no primeiro semestre de 2018.

    Deste total, 238 milhões de euros corresponderam a receitas por concessões, que cresceram 19% devido ao crescimento operacional dos ativos, ao início da exploração dos aeroportos de Tepual e Challacuta (Chile), e à evolução positiva da circulação nas autoestradas concessionadas. Os restantes 206 milhões (+64%) correspondem a receitas provenientes de construção, que registam um importante crescimento devido à execução de projetos na Colômbia, no México e no Uruguai.

    O EBITDA atingiu 151 milhões de euros, o que representa um crescimento de 17%.

    A carteira de receitas futuras situou-se nos 27.849 milhões de euros (+3%), com um peso internacional de 82%.

    Durante o primeiro semestre, a Sacyr conseguiu a adjudicação de dois importantes projetos no Chile: a autoestrada Los Vilos-La Serena, que contribui com 864 milhões de euros para a carteira, e o Aeroporto de Chacalluta, no valor de 203 milhões de euros. No Uruguai, um consórcio liderado pela Sacyr conseguiu a adjudicação do Caminho-de-ferro Central, que proporcionará receitas futuras de cerca de 2.200 milhões de euros.

     Ingeniería e Infraestructuras.- O volume de negócios desta divisão atingiu 959 milhões de euros, com um crescimento de 19% em comparação com o primeiro semestre de 2019.

    O EBITDA cresceu 70%, alcançando 104 milhões de euros, e a margem de EBITDA melhorou 10,8%, em comparação com os 7,6% do período janeiro-junho de 2018.  

    A carteira de infraestruturas alcançou 6.699 milhões de euros, com um crescimento de 8%, representando 42 meses de atividade. Uma percentagem de 87% da carteira situa-se fora de Espanha.

    Cabe destacar a adjudicação de importantes projetos, como a construção da autoestrada Los Vilos-La Serena, no Chile (331 milhões de euros), o Caminho-de-ferro Central do Uruguai (735 milhões), o prolongamento do Elétrico de Edimburgo (120 milhões), a reabilitação de um troço de autoestrada no Texas (102 milhões) e a construção do Corredor do Mediterrâneo do AVE, em Almería (98 milhões).

     Servicios.- O volume de negócios desta divisão cresceu 4%, atingindo 550 milhões de euros. O EBITDA situou-se nos 55 milhões de euros, mais 26% do que em 2018, graças à contribuição de todas as áreas: Ambiente (+36%), Multiserviços (+60%) e Água (+7%). A margem de EBITDA cresceu, passando de 8,2% para 10%.

    A carteira da Servicios situou-se, no final do semestre, em 5.662 milhões de euros, dos quais 32% já provenientes de operações internacionais. Destacam-se, neste semestre, os contratos de manutenção de estradas no Peru, no valor de 18 milhões de euros, e no Chile, no valor de 13 milhões, a concessão dos serviços de limpeza dos terminais 1 e 2 do aeroporto de El Prat (Barcelona), no valor de 58 milhões de euros, o contrato para a limpeza de hospitais em Espanha, no valor de 14 milhões de euros, e os contratos de operação e manutenção de ETAR em Navarra e a gestão da água em Biar (Alicante), no valor de 14,6 milhões de euros.

    Industrial.- O volume de negócios da divisão Industrial atingiu 216 milhões de euros (-17%), representando um EBITDA de 16 milhões de euros (-11%). Estes valores devem-se ao facto de a empresa ter finalizado vários grandes projetos em carteira, como os de Nuevo Mundo e La Pampilla (Peru).

    A carteira da divisão Industrial ascende a 2.432 milhões de euros, dos quais 12% provenientes de operações internacionais. Entre os contratos adjudicados no primeiro semestre, destaca-se a entrada da empresa no setor peruano da mineração, com a adjudicação de um contrato relativo à mina de cobre de Quellaveco. Além disso, a empresa assinou vários contratos para a construção de projetos na área das energias renováveis no Chile e na Bolívia.   

     

    PDF